[Quem casa, quer casa] – A varanda da agitação e da calmaria

1 Comentário

15. 05. 2017

Por tatiana-mello

Na terceira semana da nossa série, a poesia da varanda

Cor, aconchego e sofisticação

Durante a semana parece o lugar perfeito para ler um livro, escutar uma música ambiente e curtir o balançar de uma rede. No fim de expediente, obra milagres. Para meditar, se exercitar ou apenas para ver a vida passar, varanda é calmaria.

Chega o fim da semana e tem sempre um programa, um aniversário, uma comemoração. Abre espaço para o pagode – parece pensada para esse ritmo -, mas se não for o caso, é um ambiente eclético: toca um eletrônico aí. Sexta, sábado, domingo… e se precisar de mais a gente inventa um feriado, uma folga só pra ver a varanda ser agitação.

Para jovens casais, foco da nossa série, a varanda também pode ser disputa. O futebol e a cervejinha com os amigos dele não parece combinar com a conversa jogada fora com as melhores amigas dela, mas dependendo do projeto, a varanda pode estar aberta para tudo isso e ao mesmo tempo, inclusive. E pra acabar de vez com a competição, a varanda é romântica. Com o dia dos namorados chegando não há quem resista a um programinha com o pôr do sol como cenário.

Destaque para o uso do acrílico

Calma, agitada, disputada, romântica e, mais recentemente, cheia de sabores. De uns tempos pra cá o cômodo ganhou novos elementos. Churrasqueira, cooktop, cervejeira, e um sobrenome: gourmet. Também passou a contar com um nicho específico de móveis. Confortáveis e com materiais duráveis, o mobiliário atende aos novos usos e as diferentes condições climáticas. Podem ser de madeira ou fibras naturais ou sintéticas, alumínio, acrílico, PVC, corda e muitos outros. Formas e tamanhos também são variados, se adequando aos espaços e às funções que o cliente desejar.

Quando projetamos uma varanda, uma das coisas importantes a serem pensadas é a iluminação e os revestimentos de parede. Deixar o cômodo bem iluminado e aconchegante é vital. É isso que define o estilo do morador. Aposte ele em uma pegada mais industrial, com porcelanatos imitando aço corten, ou em algo mais descontraído, com porcelanatos madeirados, ladrilho hidráulico, pastilhas, paredes verdes.

Essa família tinha a necessidade de ter uma varanda espaçosa para usar aos fins de semana

Tramas abertas, cores marcantes e materiais resistentes são algumas das tendências para o espaço. O verde também está subindo para os apartamentos. Desde um cantinho com vasos e móbiles com plantas até as cores de tinta para as paredes. Tudo isso, para retomar o conforto sensorial da varanda da casa da vovó.

Hoje em dia, a varanda não está em segundo plano no planejamento de um projeto. Segue a mesma linha de importância que a sala de estar. A sofisticação também pode chegar lá, desde os materiais escolhidos para revestimentos até o mobiliário. Na aba Projetos Online você segue o passo a passo e pode transformar sua varanda sem gastar muito. Me siga nas redes, essa semana vou dar algumas outras dicas sobre o cômodo. Na semana que vem, nossa série segue com o quarto do casal. Até lá!


Uma resposta para “[Quem casa, quer casa] – A varanda da agitação e da calmaria”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *